sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Total abandono do esporte no Brasil pode significar outro "7x1" nos Jogos Olímpicos

Quando o Brasil foi anunciado como sede da Copa do Mundo 2014, boa parte dos brasileiros passou a sonhar com brilhantes apresentações da seleção brasileira de futebol e o nome do Brasil sendo exaltado pelo mundo através do esporte, mas o final trágico dessa história todos nós já conhecemos.

Passando o vexame da Copa do Mundo 2014, o amante do esporte voltou as atenções para os Jogos Olímpicos 2016, que serão realizados no Rio de Janeiro, de 5 a 21 de agosto de 2016. Inicialmente as expectativas criadas pelos brasileiros são as mesmas de qualquer outro país que tenha sediado os jogos, ou seja, se espera um grande espetáculo, com boa infraestrutura e destaque do país na esfera esportiva.

Com relação a infraestrutura e organização do evento, até o momento as coisas estão caminhando bem, com algumas exceções. Entretanto, o ponto negativo fica por conta dos resultados esportivos.

Todo país sede dos Jogos Olímpicos desenvolve um trabalho para que os resultados esportivos do país possam evoluir, de modo que agrade os torcedores locais, além de mostrar ao mundo seu desenvolvimento no esporte. Infelizmente o Brasil parece que não alcançará esse desenvolvimento.

O Brasil foi anunciado como sede dos Jogos Olímpicos em outubro de 2009, e desde então o país não melhorou em absolutamente nada nos resultados esportivos. O que se vê é um abandono total do esporte, sem o menor apoio aos atletas.

O atletismo que sempre trouxe bons resultados, está passando por um péssimo momento, não houve evolução alguma, no último mundial o Brasil conquistou apenas um medalha de prata com Fabiana Murer. A Confederação Brasileira de Atletismo não apresentou nenhum projeto de desenvolvimento e se esconde diante dos péssimos resultados. Nos esportes aquáticos a situação se repete, os resultados são preocupantes e os atletas chegam a ter que ir treinar no exterior por falta de estrutura no país. No judô o Brasil amargou o pior resultado em mundial desde 2009, com apenas 2 bronzes.

Nos esportes coletivos a incompetência das confederações tem piorado ano a ano seus resultados. Confederação Brasileira de Basquete, Confederação Brasileira de Voleibol e Confederação Brasileira de Basketball estão afundadas em um mar de corrupção e não possuem a menor possibilidade de trabalhar pelo desenvolvimento das modalidades.

Quem deveria estar agindo para que essa situação não fosse trágica, não tem a menor condição de fazê-lo. O atual Ministro do Esporte é o Pastor George Hilton, que não tem nenhum conhecimento esportivo, muito menos algum projeto para trazer resultados para o país. Desde que assumiu a pasta ainda não agiu para mudar os desmandos das confederações e não parece estar disposto a isso.

Não se pode culpar apenas o atual Ministro do Esporte, pois seus antecessores foram tão incompetentes e tão despreparados quanto George Hilton. Desde 2009, também foram titulares da pasta, Orlando Silva e Aldo Rebelo. A característica que os três possuem em comum, é que nenhum deles jamais trabalhou na esfera esportiva até assumirem o Ministério do Esporte.

Considerando todo esse trágico cenário, não será nenhuma surpresa se o Brasil passar outro vexame gigantesco como foi o fatídico "7x1".